Combater o tráfico de heroína na costa da África Oriental

2018-09-12

Resumo

Nos últimos anos, o volume de heroína transportado do Afeganistão através de uma rede de rotas marítimas na África Oriental e Austral tem vindo a aumentar consideravelmente. Desenvolveu-se um mercado ilícito regional integrado, que forma e é formado por desenvolvimentos políticos. O continente africano tem vindo a observar o maior aumento do consumo de heroína do mundo inteiro, com um vasto espectro de redes criminosas e elites políticas na África Oriental e Austral substancialmente envolvidas no comércio. Existe uma necessidade premente de novas abordagens políticas.

Sobre os autores

Mark Shaw é diretor da Iniciativa Global contra o Crime Organizado Transnacional (GI TOC) e investigador visitante superior do Projeto Internacional sobre Políticas de Drogas da London School of Economics. Até recentemente, foi professor de Justiça e Segurança da National Research Foundation no Centro de Criminologia da Universidade da Cidade do Cabo, onde hoje é professor adjunto. Trabalhou formalmente em várias funções no Gabinete das Nações Unidas contra as Drogas e o Crime.

Peter Gastrow é conselheiro superior na GI TOC. Residente na Cidade do Cabo, exerceu advocacia no Supremo Tribunal e serviu como parlamentar e assessor do ministro da polícia sul-africano. O crime organizado tem sido o seu principal foco de investigação desde que se tornou diretor do Instituto de Estudos de Segurança da Cidade do Cabo e membro superior do Instituto Internacional da Paz em Nova Iorque.

Simone Haysom é analista superior da GI TOC e académica visitante do Departamento de Estudos Africanos da Universidade de Oxford. Já trabalhou como investigadora no Overseas Development Institute, em Londres, e passou vários anos a trabalhar como consultora em questões relacionadas com o deslocamento forçado, o desenvolvimento urbano, o crime organizado e o policiamento.

Imagem da capa: © Africa Studio – Adobe Stock

EU Flag
ENACT is funded by the European Union
ENACT is implemented by the Institute for Security Studies and INTERPOL, in
affiliation with the Global Initiative against Transnational Organised Crime
ISS Donors
Interpol
Global
feature-5Page 1